Preocupação silenciosa: leishmaniose aumenta em Minas Gerais - Portal Novos Rumos

+ NOTÍCIAS

SERVIÇOS

CONTATO



SAÚDE, ECOLOGIA & MEIO AMBIENTE -



Preocupação silenciosa: leishmaniose aumenta em Minas Gerais


Quando não tratada, doença pode levar a óbito em 90% dos casos

Por Rafaella Dotta

Transmissão vem se expandindo para áreas urbanas de médio e grande porte / Reprodução



A infecção de uma moradora de Lavras, no Sul de Minas Gerais, reacendeu o alerta contra a leishmaniose no estado. A menina de 13 anos teve seu diagnóstico decretado em 16 de janeiro, foi tratada e recebeu alta, porém, os números mostram que a prevenção não pode ser descuidada. Em 2015, Minas Gerais teve 40 óbitos e 418 casos da doença, sendo o estado com mais mortes no país.

A leishmaniose visceral era considerada, há décadas, uma doença que atingia áreas rurais. Porém, a transmissão vem se expandindo para áreas urbanas de médio e grande porte e se tornado uma preocupação para a saúde pública. Segundo o Ministério da Saúde, a doença está em “franca expansão geográfica”.

Em Minas, a endemia é mais presente na região central, onde se concentram 36% dos casos, segundo dados de 2016 fornecidos pela Secretaria Estadual de Saúde. A região norte teve a maior progressão. Em quatro anos, os casos de leishmaniose aumentaram 156%, chegando a 146 no último ano. O número geral do estado também aumentou, alcançando 497 pessoas.

Sintomas e tratamento

Em seres humanos, a transmissão da doença acontece por meio da picada da fêmea do Lutzomyia longipalpis, conhecido como “mosquito-palha”. O inseto tem cor amarelada, com antenas longas e asas grandes, revestidas de cerdas. Somente pelo mosquito é possível que seres humanos contraiam a leishmaniose. Os hospedeiros (seres humanos e cachorros) não transmitem a doença uns aos outros.

Os sintomas iniciais são febre prolongada, palidez e barriga inchada, pelo aumento do baço e do fígado. Se não for tratado, o quadro pode evoluir para emagrecimento progressivo, fraqueza, hemorragias e amarelamento de líquidos do corpo. Os próximos sintomas são infecção bacteriana ou sangramento. Quando não tratada, a leishmaniose leva à morte em 90% dos casos, de acordo com o Ministério da Saúde.

Tratamento

São três os centros especializados de tratamento em Minas Gerais, todos em Belo Horizonte. O Hospital das Clínicas (Avenida Professor Alfredo Balena, 110), o Hospital Estadual Eduardo de Menezes (Avenida Cristiano de Resende, 2.213) e o Centro de Pesquisas René Rachou (Avenida Augusto de Lima, 1.715). O procedimento padrão é que, identificados os sintomas, o paciente procure o Sistema Único de Saúde o mais rápido possível.




Combate de contaminação em caninos é a prevenção

Na área urbana, os cachorros são os principais hospedeiros da doença. De acordo com informações da Fundação Oswaldo Cruz, a contaminação em caninos tem acontecido em número pequeno e estável, e geralmente precede a contaminação em humanos. Em cães, os principais sinais são apatia, lesões de pele, queda de pelos - inicialmente ao redor dos olhos e orelhas, lacrimejamento e crescimento anormal das unhas.

A veterinária Fernanda Costa explica que, confirmado o diagnóstico, o protocolo indica o sacrifício do animal. “Não é um caso de eutanásia compulsória, como a febre aftosa. O proprietário tem que autorizar ou não o sacrifício”, diz. Tratamentos ainda são raros, afirma a veterinária, e desaconselhados pelo Ministério da Saúde, apesar de haver empresas trabalhando em medicamentos que conseguiriam negativar a presença do protozoário no animal.

Para ela, a melhor forma de combater a doença é a prevenção. Vacinas caninas ou produtos que previnem pulgas, carrapatos e picadas do mosquito são boas opções, assim como eliminar locais de proliferação do inseto.

Fonte: Brasil de Fato


Acompanhe Portal Novos Rumos no Twitter

e no Facebook.






Comentários:



Todos os comentários são moderados, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Não serão aceitas mensagens com links externos ao site, em letras maiúsculas, que ultrapassem 1 mil caracteres, com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Não há, contudo, moderação ideológica. A ideia é promover o debate mais livre possível, dentro de um patamar mínimo de bom senso e civilidade. Obrigado.

Código da Notícia: ECO1402171






















Todos os direitos reservados ao Portal Novos Rumos - © Copyright 2017 - Desenvolvido por WDNR