Tireoide & Coração - Dr. Roberto B. de Quadros

+ ARTIGOS

CONTATO


















Tireoide & Coração


A tiroide libera os hormônios tiroxina (T4) e triiodotironina (T3) estimulada pelo hormônio estimulador da tireoide-tireotropina (TSH) oriundo da hipóse cerebral.

Quando esta diminuída na tireoide a liberação dos hormônios define-se o hipotireoidismo sem suas consequências no organismo em geral e no sistema cardiovascular.

A diminuição da liberação hormonal pode advir da ingestão a menor na alimentação por fatores geográficos e ambientais; hoje mais raros.

A retirada da tireoide cirurgicamente por necessidades médicas, câncer da tireoide, leva também ao hipotireoidismo crônico necessitando o uso permanente do hormônio.

Qualquer faixa etária pode ser atingida, assim temos o hipotireoidismo congênito que ocorre no recém nascido sendo investigado pelo chamado “teste do pezinho. Na fase adulta o hipotireoidismo é mais comum em mulheres, mas esta presente em ambos sexos e principalmente em idosos. A tireoidite mais comum é chamada de tireoidite hashimoto (doença auto imune: o organismo forma anticorpos à tireoide ).

Existe o hipotireoidismo sub clinico e nos idosos, os sintomas próprios do envelhecimento podem mascarar um hipotireoidismo.

Os sintomas comuns ao envelhecimento são por exemplo; diminuição do apetite, pele seca, fluxo renal diminuído, aumento do peso, distúrbios cerebrais sensoriais, diminuição da motilidade intestinal, etc.

É uma razão de alerta essa semelhança de sintomas entre o envelhecimento e o hipotireoidismo, requerendo cuidadosa investigação médica.

As repercussões no coração e no sistema cardiovascular são: diminuição da contratilidade cardíaca – bradicardia, aumento do colesterol total, aterosclerose com risco de infarto do miocárdio e possibilidade de ocorrência de insuficiência cardíaca. Hipotireoidismo

Há um aumento de função da tireoide. Doença de graves (bócio difuso) é a causa mais comum de hipertireoidismo, mais ou menos 70% dos casos havendo aumento da liberação dos hormônios T3 e T4, e aumento da tireoide.




O hipertireoidismo aumenta o metabolismo basal, a temperatura corporal, há uma estimulação do metabolismo da glicose e tendência a desenvolver Diabete Melito. Há maior consumo de O2 (oxigênio), hiperventilação, fraqueza muscular, tremor, insônia, nervosismo.

O metabolismo ósseo acelerado agrava a osteoporose e hipercalcemia.

A estimulação do intestino trás ocorrência de diarreias, a emagrecimento no sistema ocular ocorre exoftalmia (glóbulos oculares aumentados, “saltados”).

O fígado também sofre alterações alterando a absorção e modificando efeito de doses de medicamentos.

Para o coração e sistema cardiovascular é notado o aumento da contratilidade cardíaca, do volume sistólico (volume de sangue que o coração envia, pela aorta ao organismo em um minuto).

O ritmo cardíaco torna-se taquicardíaco (apresado) podendo surgir arritmias tipo fibrilação atrial que é um ritmo completamente anárquico que impõe varias atitudes cardiológicas pois há perigo de morte.

Para finalizar existe muitos outros tipos de doenças de tireoide não mencionada. Este é apenas uma breve citação de aspectos importantes, os órgãos e suas funções são muito entrosadas, complexas e maravilhosas merecem o cuidado especial de cada um de nós usando todos os recursos de uma medicina preventiva.

Fonte: Revista Novos Rumos Ciência & Saúde






Comentários:



Todos os comentários são moderados, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Não serão aceitas mensagens com links externos ao site, em letras maiúsculas, que ultrapassem 1 mil caracteres, com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Não há, contudo, moderação ideológica. A ideia é promover o debate mais livre possível, dentro de um patamar mínimo de bom senso e civilidade. Obrigado.

Código do Artigo: RQ1310161




+ ARTIGOS DR. ROBERTO B. DE QUADROS
















Todos os direitos reservados ao Portal Novos Rumos - © Copyright 2015 - Desenvolvido por WDNR