O Demônio Algol


É urgente repetir, às vezes, certas frases, quando se trata de compreender. Quero referir-me ao álcool.

Não há necessidade de discutir longamente sobre os efeitos do álcool. Seu próprio nome árabe (igual ao da estrela Algol, que representa a Cabeça de Medusa, cortada por Perseu) quer dizer, simplesmente, o Demônio...

E que seja, efetivamente, um demônio, ou maléfico espírito, quando se apossa do homem, é evidente e facilmente demonstrável por seus efeitos que vão desde a embriaguez ao “delirium tremens” e à loucura, consignando-se nos descendentes sob a forma de paralisia e outras taras hereditárias.

É inquestionável que, sendo um produto de desintegração que se origina, também, em nosso organismo, entre os que são eliminados pela pele, tem uma tendência vibratória desagregante, dissolvente e destruidora, secando nossos tecidos e destruindo as células nervosas, as que, gradualmente, se acham substituídas por cartilagens.

Resulta palmário e manifesto que o álcool tende a eliminar a capacidade de pensar independentemente, já que estimula, fatalmente, a fantasia, e de julgar serenamente, assim como debilita, espantosamente, o sentido ético e a liberdade individual.

Os ditadores de todos os tempos, os tiranos não ignoram que é mais fácil governar e escravizar um povo de beberrões que um povo de abstêmios.

É igualmente sabido que, em estado de embriaguez, pode-se fazer aceitar a uma pessoa qualquer sugestão e cumprir atos contra seu decoro e sentido moral. É demasiado notória a influência do álcool sobre os crimes, para que haja necessidade de insistir nisso.

O álcool horrendo sobe do precipício e cai no abismo da perdição; é a substância maligna que caracteriza de forma íntima os Mundos Infernos, onde só se escutam berros, aulidos, silvos, relinchos, chiados, mugidos, grasnidos, miados, latidos, bufares, roncares e coaxares.

O abominável Algol gira incessantemente, dentro do círculo vicioso do tempo.

Insinua-se por onde quer, sempre tentador; parece ter o dom da ubiquidade; tão logo sorri na taça de ouro ou de prata, sob o teto dourado do faustoso palácio, como faz cantar o bardo melenudo da horrível taberna.

O maligno Algol é, às vezes, muito fino e diplomático; vede-o, aí, brilhando perigosamente, entre a taça resplandecente de fino bacará, que a mulher amada vos oferece!

E diz o poeta que, quando, no macio e perfumado leito de caoba, a amada, ébria de vinho, desnudar-se pretendia, o anjo da guarda saia um momento...

Todos vamos a um fim; todos temos nosso nome na ânfora fatal. Nunca bebas, eu te digo, licor maldito, porque, se o bebes, prontamente errarás o caminho.

Vinhete bem forte de Sabina, em taças pequenas beberás hoje comigo, ainda que em ânfora grega fosse ele envasilhado, que o selei eu mesmo, exclama satanás do fundo do abismo...

Em suas negras profundidades, cada demônio sua faina cumpre, apanhando vinhas até o sol vespertino; e, como a deus te chama, quando na alegre ceia chega a hora de beber o fermentado vinho.

O que não desgasta o tempo? Já foram inferiores aos avós rudes nossos queridos pais; piores que eles somos nós; e, em melancólica decadência, entre o licor e a tragédia, nos segue uma viciosa descendência.

Hoje, tudo passou; esta pobre humanidade cheia de tantas amarguras se degenerou com o vício abominável do álcool.

E quem são esses tontos que pretendem negociar com Satã? Escutai, amigos! Com o sinistro Demônio Algol não é possível fazer componendas, arranjos, tramoias de nenhuma espécie. O álcool é muito traiçoeiro e, cedo ou tarde, nos dá a punhalada pelas costas.

Muitas pessoas de Thelema (Vontade) bebem tão só uma ou outra taça diária; trapaça maravilhosa. Verdade?

Arreglo? Compadrismo? Trapaça? Gentes inexperientes da vida; certamente a elas, falando-lhes em linguagem socrática, poderíamos dizer-lhe que não só ignoram, senão, ademais, ignoram que ignoram.

Os átomos do inimigo secreto, semelhantes a microscópicas frações de vidro, com o suceder do tempo e entre tanta melopeia, bebedeira ou ebriedade muito sutil e dissimulada, vão-se incrustando dentro das células vivas do organismo humano...

Assim, bem sabem os divinos e os humanos que o Demônio Algol se apodera do humano corpo, muito astuta e lentamente, até que, por fim, um dia qualquer, nos precipita no abismo da bebedeira e da loucura.

Fonte: Samael Aun Weor


Acompanhe Portal Novos Rumos no Twitter

e no Facebook.






Comentários:



Todos os comentários são moderados, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Não serão aceitas mensagens com links externos ao site, em letras maiúsculas, que ultrapassem 1 mil caracteres, com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Não há, contudo, moderação ideológica. A ideia é promover o debate mais livre possível, dentro de um patamar mínimo de bom senso e civilidade. Obrigado.

Código do Artigo: NE0207151