Portal Novos Rumos -




OAB: Temer produziu imenso retrocesso


O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), presidido por Claudio Lamachia, fez duras críticas à portaria do governo de Michel Temer que na prática permite a volta do trabalho escravo no País; "Ao alterar as regras que regiam o combate ao trabalho escravo, o governo produziu imenso retrocesso, abandonou parâmetros consagrados, feriu o Código Penal e não trouxe, ao contrário do que alardeou, qualquer segurança jurídica", diz a OAB; "Neste momento difícil para o país, de crise política e econômica, o Brasil deve buscar a efetiva valorização das relações de trabalho, de modo a reconhecer sua contribuição para o país", reforça a Ordem

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia, fez duras críticas à portaria do governo de Michel Temer que na prática permite a volta do trabalho escravo no País.

Em sua página no Twitter, Lamachia reproduziu nota do Conselho Federal da OAB, que é presidido por ele, em classifica a medida como "imenso retrocesso".

"Ao alterar as regras que regiam o combate ao trabalho escravo, o governo produziu imenso retrocesso, abandonou parâmetros consagrados, feriu o Código Penal e não trouxe, ao contrário do que alardeou, qualquer segurança jurídica", diz a OAB.

"Neste momento difícil para o país, de crise política e econômica, o Brasil deve buscar a efetiva valorização das relações de trabalho, de modo a reconhecer sua contribuição para o país", diz a OAB.

Leia, abaixo, a nota na íntegra:

"OAB manifesta contrariedade com mudanças na fiscalização do trabalho escravo

O Conselho Federal da OAB e o Colégio de presidentes das seccionais da OAB vem a público divulgar Nota Oficial sobre as mudanças na política de combate ao trabalho escravo:

São preocupantes as mudanças nas regras de fiscalização do trabalho em condições análogas à escravidão. Um dos pontos mais alarmantes é que a divulgação da lista de empregadores autuados será facultada ao ministro e não mais ao corpo técnico do Ministério do Trabalho. As novas regras já fizeram, inclusive, com que a Organização Internacional do Trabalho (OIT) retirasse o Brasil do grupo de referência em combate ao trabalho escravo.

Ao alterar as regras que regiam o combate ao trabalho escravo, o governo produziu imenso retrocesso, abandonou parâmetros consagrados, feriu o Código Penal e não trouxe, ao contrário do que alardeou, qualquer segurança jurídica.

Cabe ainda lembrar que, neste momento difícil para o país, de crise política e econômica, o Brasil deve buscar a efetiva valorização das relações de trabalho, de modo a reconhecer sua contribuição para o país"

CONSELHO FEDERAL DA OAB COLÉGIO DE PRESIDENTES DAS SECCIONAIS DA OAB"

Fonte: Brasil 247


Acompanhe Portal Novos Rumos no Twitter

e no Facebook.






Comentários:



Todos os comentários são moderados, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Não serão aceitas mensagens com links externos ao site, em letras maiúsculas, que ultrapassem 1 mil caracteres, com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Não há, contudo, moderação ideológica. A ideia é promover o debate mais livre possível, dentro de um patamar mínimo de bom senso e civilidade. Obrigado.

Código da Notícia: PNR1910171