Portal Novos Rumos




Ciro vai privatizar refinarias da Petrobras, avisa coordenador


Coordenador do programa de governo de Ciro Gomes, o economista Nelson Marconi afirmou em entrevista à agência Reuters que defende a abertura do setor de refino de petróleo ao setor privado, com a entrega de refinarias da Petrobras; o anúncio representa uma continuidade de parte do projeto de Pedro Parente para a empresa e uma declaração de guerra aos petroleiros, que já fizeram greve contra a privatização; "Refino, pelo amor de Deus, não precisa ser monopólio da Petrobras, que não deixa ninguém entrar neste mercado", disse Marconi



O coordenador do programa de governo de Ciro Gomes, o economista Nelson Marconi, afirmou em entrevista à agência Reuter que defende a abertura do setor de refino de petróleo ao setor privado, com a entrega de refinarias da Petrobras e permissão para que empresas privadas construam novas refinarias. O anúncio representa uma continuidade de parte do projeto de Pedro Parente para a empresa e uma declaração de guerra aos petroleiros, que já fizeram greve contra a privatização, e um risco para a capacidade de a Petrobras fixar os preços no país.

Ao mesmo tempo, Marconi defendeu que as reservas de petróleo são ativo estratégico e devem ficar com a Petrobras e que contratos fora do modelo de partilha serão revistos e indenizados. Disse também que, num eventual governo Ciro, o BNDES voltará a ter perfil de banco de fomento com taxa de juro mais barata.

Além disso, Marconi afirmou que o programa do PDT prevê uma atuação do Banco Central no mercado de câmbio que gere mais previsibilidade, em intervenções para que a cotação fique em torno de um determinado patamar, além de um rearranjo de receitas e despesas com o objetivo de reduzir rapidamente a dívida pública.

"Refino, pelo amor de Deus, não precisa ser monopólio da Petrobras, que não deixa ninguém entrar neste mercado", teria afirmado Marconi à Reuters. "Do ponto de vista do refino, a gente quer absolutamente aumentar a competição... Você fica menos dependente de petróleo refinado importado", acrescentou.

"A tecnologia que as refinarias usam na Petrobras está meio defasada", disse Marconi. "Então tem que estimular de alguma forma o surgimento de outras refinarias com tecnologia que, inclusive, baixam os custos de produção."

A Petrobras pretende, no modelo Padro Parente, vender 60% de sua capacidade de refino no país e no fim de abril lançou o projeto de se desfazer de quatro unidades, para criar dois pólos de refino no Nordeste e Sul do país. A venda de ativos da estatal, porém, enfrenta protestos de petroleiros e foi alvo do Tribunal de Contas da União (TCU).

Marconi disse ainda que a proposta para uma nova política de preços da Petrobras não está fechada, mas adiantou como pressupostos a remuneração do capital e cobertura de custos, além da decisão de que a estatal não deve transferir para o consumidor as flutuações dos preços do petróleo e do câmbio no dia a dia.

Fonte: Brasil 247


Acompanhe Portal Novos Rumos no Twitter

e no Facebook.






Comentários:



Todos os comentários são moderados, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Não serão aceitas mensagens com links externos ao site, em letras maiúsculas, que ultrapassem 1 mil caracteres, com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Não há, contudo, moderação ideológica. A ideia é promover o debate mais livre possível, dentro de um patamar mínimo de bom senso e civilidade. Obrigado.

Código da Notícia: PNR1406183