Jean Wyllys manda Carlos Bolsonaro sair do armário e ser uma bicha orgulhosa


Ex-deputado Jean Wyllys fez nesta segunda-feira, 17, uma sequência de tweets para defender que o vereador Carlos Bolsonaro (PSL-RJ) assuma uma suposta homossexualidade; "O filho do presidente teve todas as chances e meios de enfrentar a homofobia do pai e ser uma bicha como eu sou - orgulhosa de mim, inteligente, ativista e honrada, disposta a lutar por justiça social - mas optou por ser essa vergonhosa fábrica de fake news homofóbicas", disse Wllys



O ex-deputado Jean Wyllys fez nesta segunda-feira, 17, uma sequência de tweets para defender que o vereador Carlos Bolsonaro (PSL-RJ) assuma uma suposta homossexualidade.

"O filho do presidente teve todas as chances e meios de enfrentar a homofobia do pai e ser uma bicha como eu sou - orgulhosa de mim, inteligente, ativista e honrada, disposta a lutar por justiça social - mas optou por ser essa vergonhosa fábrica de fake news homofóbicas", disse Wllys.

"Aliás, quero deixar claro que só estou me referindo à homossexualidade enrustida do filho homofóbico, burro e mau do presidente porque esta vem sendo o motor horrores perpetrados por ele contra mim e outras pessoas honradas na internet", acrescentou o ex-deputado do PSOL.

As declarações de Jean Wyllys foram dadas após a divulgação de reportagem que relacionava o ataque massivo de robôs contra o jornalista Glenn Greenwald, seu companheiro, o deputado David Miranda (PSOL-RJ) e o próprio Wyllys.

O jornalista Ivan Freitas demonstrou no Twitter a ação de robôs para subir a hashtag ShowdoPavão, em referência a uma conta suspeita com acusações fakes contra Glenn Greenwald, que divulgou escândalos da Lava Jato. Freitas também citou uma postagem de Filipe G. Martins, assessor especial da Presidência. Quem responde no post é Carlos Bolsonaro (PSL): "já sabe o que fazer com as penas do pavão", disse.

Fonte: Brasil 247



Acompanhe Portal Novos Rumos no Twitter e no Facebook.






Comentários:



Todos os comentários são moderados, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Não há, contudo, moderação ideológica. A ideia é promover o debate mais livre possível, dentro de um patamar mínimo de bom senso e civilidade. Obrigado.

Código da Notícia: PNR1706191