Cena ‘bolsonara’: se Jesus voltasse, seria metralhado


A imagem de Bolsonaro com a ‘camiseta de Jesus’ fazendo arminha com as mãos é daquelas que entram para o ‘almanaque das bestialidades grotescas’; a rigor, a cena deixa claro que, se Jesus “voltasse”, não seria crucificado, seria metralhado



A imagem de Bolsonaro com a ‘camiseta de Jesus’ fazendo arminha com as mãos é daquelas que entram para o ‘almanaque das bestialidades grotescas’. A rigor, a cena deixa claro que, se Jesus “voltasse”, não seria crucificado, seria metralhado.

Não há precedente para o volume de violência embutido nas mensagens que Jair Bolsonaro vai acumulando ao longo de suas famigeradas aparições. Não admira que ele seja execrado no mundo todo, até pela direita, como a personagem mais repulsiva da atualidade.

Bolsonaro faz apologia da morte e da vingança sempre que pode e nos contextos mais inadequados – se é que existe um contexto adequado para se celebrar o assassinato e o ódio.

Soma a esses espasmos de putrefação moral um sorriso tão cínico quanto espontâneo, sintoma violento de uma personalidade severamente prejudicada por déficits cognitivos de toda a sorte.

Cristãos, ortodoxos, liberais, evangélicos, católicos, protestantes e pessoas oriundas de quaisquer ramificações da religiosidade ou mesmo de quaisquer outras vertentes da expressão da fé deveriam repudiar essa excrescência iconográfica e seus persistentes efeitos deletérios.

É de embrulhar o estômago e a própria conexão alegórica do humano com a dimensão teológica.

Fonte: Brasil 247



Acompanhe Portal Novos Rumos no Twitter e no Facebook.






Comentários:



Todos os comentários são moderados, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Não há, contudo, moderação ideológica. A ideia é promover o debate mais livre possível, dentro de um patamar mínimo de bom senso e civilidade. Obrigado.

Código da Notícia: PNR2106191