Juristas: autoridades devem reagir ao crime confessado por Bolsonaro no caso Marielle


"Trata-se de reconhecimento de crime, de interferência ilícita em apuração criminal, voltada assumidamente a resguardar interesses pessoais e familiares, o que exorbita nitidamente das competências constitucionais do cargo exercido", diz a nota do grupo Prerrogativas, que é formado por mais de 300 juristas, que também cobraram reação das autoridades diante do crime confessado pelo político que ocupa a presidência do Brasil

Por que Bolsonaro não dá a devida importância ao caso Marielle e Anderson? (Foto: Esq.: Antonio Cruz - ABR / Dir.: Mídia Ninja)



O jornalista Jamil Chade, experiente na cobertura das atividades diplomáticas no âmbito da sede da Organização das Nações Unidas (ONU) em Genebra, traz em seu blog informações sobre o impacto em círculos diplomáticos internacionais das ameaças antidemocráticas do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Nota do grupo Prerrogativas – A declaração do presidente Jair Bolsonaro de que se apoderou de provas da investigação dos homicídios que vitimaram Marielle Franco e Anderson Gomes assume máxima gravidade.

Trata-se de reconhecimento de crime, de interferência ilícita em apuração criminal, voltada assumidamente a resguardar interesses pessoais e familiares, o que exorbita nitidamente das competências constitucionais do cargo exercido.

Tal revelação deve mobilizar imediata reação das autoridades competentes, para assegurar a imparcialidade das investigações, garantidas todas as condições institucionais para tal, a fim de esclarecer o ocorrido e, se caso for, tomar as providências cabíveis. Nesse sentido, o Estado Democrático de Direito possui diversos meios institucionais para investigar eventuais ilicitudes, por meio da Procuradoria Geral da República, além da necessária investigação da atuação do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, do Conselho Nacional do Ministério Público e dos órgãos correcionais respectivos.

O episódio evoca precedentes históricos em que a sociedade civil se fez ouvir, com a Ordem dos Advogados do Brasil à frente, ao lado de instituições comprometidas com aDemocracia e com o Estado de Direito. Grupo Prerrogativas

Fonte: Brasil 247



Acompanhe Portal Novos Rumos no Twitter e no Facebook.








Comentários:



Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do Portal Novos Rumos

Código da Notícia: PNR0211191