Mello Franco: ruralistas tentam liberar hoje a farra dos agrotóxicos


O jornalista Bernardo Mello Franco destaca que apesar do Brasil ser o maior consumidor de agrotóxicos do planeta, "a bancada ruralista quer aprovar um projeto de lei que afrouxa o controle sobre o uso de pesticidas. O texto deve ser votado hoje por uma comissão especial da Câmara"; "A ideia é remover as barreiras ao registro dos pesticidas, que podem provocar câncer e malformação de fetos", ressalta; "Um relatório do Inca afirma que as regiões com alto uso de pesticidas apresentam "incidência de câncer bem acima da média nacional e mundial", observa



O jornalista Bernardo Mello Franco destaca que apesar do Brasil ser o maior consumidor de agrotóxicos do planeta, "há quem ache pouco. A bancada ruralista quer aprovar um projeto de lei que afrouxa o controle sobre o uso de pesticidas. O texto deve ser votado hoje por uma comissão especial da Câmara".

"A proposta original é do senador Blairo Maggi, velho adversário dos ambientalistas e atual ministro da Agricultura. Foi atualizada pelo deputado Luiz Nishimori, também filiado ao PR. Eles pregam o desmanche da Lei do Agrotóxico, que tacham de "defasada" e "obsoleta"", destaca o jornalista.

"A ideia é remover as barreiras ao registro dos pesticidas, que podem provocar câncer e malformação de fetos. As substâncias só passariam a ser proibidas quando apresentarem "risco inaceitável para os seres humanos ou o meio ambiente", ressalta. "Um relatório do Inca afirma que as regiões com alto uso de pesticidas apresentam "incidência de câncer bem acima da média nacional e mundial". A Anvisa informa que a União Europeia já proíbe 22 dos 50 produtos mais usados no Brasil", observa.

Apesar disso, "no relatório que pode ser aprovado hoje, Nishimura prefere gastar energia com o significado das palavras. Ele diz que a lei atual usa termos "depreciativos", e propõe que os agrotóxicos passem a ser chamados de "produtos fitossanitários".

Fonte: Brasil 247







Comentários:



Todos os comentários são moderados, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Não serão aceitas mensagens com links externos ao site, em letras maiúsculas, que ultrapassem 1 mil caracteres, com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Não há, contudo, moderação ideológica. A ideia é promover o debate mais livre possível, dentro de um patamar mínimo de bom senso e civilidade. Obrigado.

Código da Notícia: CS0805181