Respeito é bom e eu gosto - Dra. Dora Lorch

+ ARTIGOS

CONTATO


















Respeito é bom e eu gosto


Estava passando na rua e ouvi as professoras ensinando musicas para as crianças: Sambalelê está doente, tá com a cabeça quebrada, Sambalelê precisava, é de uma boa lambada….

Fiquei pensando: que coisa louca, a coitada da Sambalelê está machucada e a única coisa que os “adultos” ou os “donos” (porque está na cara que se tratava de uma escrava) acham é que ela precisa é de “corretivo” por ter se machucado.

O estranho é que este tipo de pensamento desafiou séculos e continua igual até hoje: os adultos com frequência acham que as crianças se machucam, ou que erram porque querem. Em outras palavras consideram as crianças burras, porque se pudermos escolher, quem decide errar de propósito??!!!???

Seguindo esta lógica, os erros são propositais e por isso devem ser punidos com castigos.

Ontem mesmo entrando no supermercado vi uma mãe ralhando com seu filho que queria levar o carrinho sozinho. Ela decidiu ir na frente puxando o carrinho, e sem querer ela mesma se machucou ( o carrinho bateu no tendão de Aquiles, e isso dói!!!). Não é que ficou brava com o filho e ameaçou acabar com ele de pancada? As pessoas em volta nem ligaram. Parece que é normal.

Pode ser para a maioria, mas para mim, este tipo de ameaça me magoa. É como se fosse comigo. Ser tratado assim marca a pessoa: ou ela se torna agressiva, ou acaba achando que agredir faz parte do cotidiano.

Não. Não faz! Não é assim que se trata criança. Criança erra porque não sabe o que deve fazer, porque não entende o mundo, porque não tem experiência, e claro, porque quer testar seus limites. Você diz que não pode e ele quer ver se não pode mesmo. Ou, quando é que não pode. Isso mesmo, nem sempre nós somos constantes. Tem coisas que não podem, mas quando estamos de bom humor deixamos passar, outras que não pode durante a semana, mas pode no final de semana – por exemplo, ficar acordado até mais tarde. Nestes casos é melhor explicar a regra para o filho. Nos outros, ora vamos reconhecer que nem sempre somos coerentes, e que as crianças nem sempre nos entendem.

Mas este pensamento: achar que as pessoas erram de propósito, e erram, para nos arreliar, perpassam as relações de todos os tipos, principalmente as relações de desigualdades como as trabalhistas. Já ouvi muitas pessoas brigando porque os funcionários não faziam isso ou aquilo, talvez coisas óbvias para o “patrão”, mas nada óbvias para quem estava trabalhando. Explicar é bom, porque seu bom-senso nem sempre é o mesmo de quem trabalha com você. Um tempo atrás indiquei uma mulher do Florescer para ser empregada. A patroa me ligou indignada porque a empregada guardara as roupas limpas junto com o ferro de passar e o liquidificador, tudo junto no mesmo cesto. Claro que a patroa não entendeu nada, mas nós que estamos acostumados com as tragédias que acometem estes pessoas, percebemos que ela morava em área de risco de alagamento, portanto guardava junto aqueles objetos que deveriam ser salvos caso ocorresse uma enchente.

Bom então talvez agora que vocês estão sensibilizados, consigam ouvir e entender alguns dos virais que mais fazem sucesso na internet, e talvez como eu percebam que o comportamento que nós achamos engraçado, não tem graça nenhuma…




Ouviu o que a mãe diz para a filha? Percebeu que ela repete o que a mãe diz todo dia? Notou que ela não sabe o que quer dizer chega de história? Ela pensa que é ler história. A mãe esta dizendo uma coisa e a filha entendendo outra completamente diferente.

Só para finalizar, quero dizer que este jeito brasileiro de punir os mais fracos, e de não achar que os poderosos devem ser punidos com a mesma rigidez não está dando certo.

Quando é que vamos nos indignar e parar de achar que tudo é normal, que tudo é assim mesmo, desde o tratamento dos mais fracos – no caso das crianças, até os mais poderosos, no caso os políticos e empresários corruptores ? Quando vamos parar de pensar que os políticos roubam mesmo, que eles podem fechar a controladoria geral da união, que podem jurar que não tem conta na Suiça somente porque não assinaram que falariam a verdade, que roubem e traiam as esposas com nosso dinheiro, que vão assinar leis que vão além de nossa capacidade de pagamento só porque são da oposição, que façam e desfaçam de nós na nossa cara! Quando vamos perceber que eles estão a nosso serviço, e por isso mesmo podemos dizer que não aceitamos suas posturas!

Quando vamos perceber que respeito é bom e que podemos exigir isso?

Ps. Não sou a favor de mudar as letras das músicas para que elas fiquem politicamente corretas. Mas sou a favor de desenvolver a crítica nas crianças.

Fonte: www.doralorch.com.br






Comentários:



Todos os comentários são moderados, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Não serão aceitas mensagens com links externos ao site, em letras maiúsculas, que ultrapassem 1 mil caracteres, com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Não há, contudo, moderação ideológica. A ideia é promover o debate mais livre possível, dentro de um patamar mínimo de bom senso e civilidade. Obrigado.

Código do Artigo: DL0111151




+ ARTIGOS DRA. DORA LORCH














Todos os direitos reservados ao Portal Novos Rumos - © Copyright 2015 - Desenvolvido por WDNR