A verdade


A mente do crente está engarrafada na crença e esta não é experiência disso que é a verdade: Deus.



Muitas pessoas creem em Deus e outras não, são ateus. Existe também pessoas que não crê nem descreem. Estes últimos procuram se comportar bem na vida porque se por acaso houver Deus...

A crença em Deus não significa ter experimentado isso que é Deus. Negar a Deus não significa ter experimentado isso que é a verdade, isso que se chama Deus. Duvidar da existência de Deus não significa ter experimentado a verdade. Precisamos experimentar isso que nos pode transformar radicalmente, isso que muitos chamam de Deus, Alá, Tao, etc.

A mente do crente está engarrafada na crença e esta não é experiência disso que é a verdade: Deus. A mente do ateu está engarrafada na incredulidade e esta tampouco é experiência do real, Deus, a verdade ou como queiramos chamar ao divino. A mente que duvida da existência de Deus está engarrafada no ceticismo e este não é a verdade.

O que É, aquilo que é a verdade, Deus, Alá ou como O queiramos chamar é bem diferente da crença, da negação e do ceticismo. Isso que é a realidade nada tem que ver com os três fatores de crença, negação e ceticismo. Enquanto a mente esteja engarrafada em qualquer um desses três fatores mencionados, não poderá experimentar isso que os chineses chamam o Tao, isso que é o divino, isso que é a verdade, Deus, Alá, etc.

Quem experimentou alguma vez isso que não se pode definir, porque se se define se desfigura, isso que alguns chamam de Deus, passa por uma transformação total, radical e definitiva. Quando Pilatos perguntou a Jesus o que era a verdade, este guardou silêncio e quando a Buda fizeram a mesma pergunta, ele deu as costas e foi andando.

Todo mundo quer opinar sobre a verdade, porém a verdade nada tem que ver com as opiniões. A verdade nada tem que ver com o pensamento. Ela é algo que experimentamos na ausência do eu.

A verdade vem a nós como o ladrão da noite, quando menos se espera. Realmente, a verdade é algo bem paradoxal: quem sabe não a diz e quem diz não a sabe. A verdade não é algo quieto, estático; ela é o desconhecido de momento a momento. A verdade não é uma meta à qual temos de chegar. Ela está escondia no fundo de cada problema da vida diária, ela é como o sol que resplandece por trás das negras nuvens de nossos defeitos pessoais. A verdade não pertence ao tempo nem à eternidade. Ela está além da eternidade e do tempo.

Devemos saber viver inteligentemente porque na vida prática vivida de momento a momento podemos achar isso que é a verdade. Depois da dura jornada de trabalho, bem que podemos nos entregar à meditação interna. Precisamos compreender bem no fundo a cada problema, cada lembrança, cada defeito pessoal... Durante a meditação, todas as nossas preocupações, amarguras e desejos vão passando pela mentem em sinistro desfile. É urgente se analisar cada uma dessas coisas da mente e extrair delas o que é útil. Depois que o trágico desfile termina, a mente fica profundamente quieta e em silêncio de forma espontânea. Só a mente silenciosa, serena e quieta pode experimentar esse elemento que transforma radicalmente e que muitos chamam de Deus. A mente torpe e agitada, a mente que busca, a mente que borboleteia de escolinha em escolinha, de seita em seita, jamais poderá experimentar isso que é a verdade.

A mente é uma substância plástica maravilhosa. Podemos jogar com ela, trocar de forma à vontade e rotulá-la com nomes de diferentes escolas, porém isso não significa ter experimentado a verdade.

No mundo, há muitas pessoas que julga conhecer a verdade sem nunca tê-la experimentado. Essas pessoas no geral querem ensinar a verdade até àqueles que alguma vez já a experimentaram. Quem alguma vez experimentou a verdade não pode assassinar a ninguém. No entanto, é de fato curioso notar como aqueles que jamais experimentaram a verdade, assassinaram a muitos em nome dela.

A verdade nada tem que ver com as ideias que nós tenhamos na mente, a verdade não é da mente. Algumas pessoas têm uma ideia sobre a verdade e outras têm outra ideia, cada um tem suas próprias ideias sobre a verdade, porém a verdade nada tem que ver com as ideias, ela é radicalmente diferente de todas as ideias.

Precisamos nos transformar radicalmente e só a verdade pode nos transformar. A verdade, Deus, Alá, o Tao ou como quiserem chamá-la, é uma série de vivências sempre expansivas, cada vez mais e mais significativas.

Fonte: Samael Aun Weor


Acompanhe Portal Novos Rumos no Twitter e no Facebook.






Comentários:



Todos os comentários são moderados, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores.

Código da Notícia: NE0705201